Pular para o conteúdo principal

Crônica do dia 02 de Março de 2017

Quatro Festas e Um Motoqueiro Fantasma

                A cada dia que passa o ser humano torna-se mais ousado, mais perspicaz e paradoxalmente (Aurélio neles!) parece que a cada dia que passa está mais burro (ou melhor, desprovido intelectualmente de aspirações cognitivas válidas). Pois bem, pois bem, continuo com minha velha mania de ler vez ou outra os jornais do pacato e parado Tocantins. Vamos a eles?

  (Doutor Pasquale não aconselha e afirma que esse parágrafo é gramática, ortográfica e morfologicamente errado. Não se pode começar parágrafo com parêntese. Mas a liberdade poética diz que tudo posso no leitor que me fortalece. O parágrafo de agora é apenas para quebrar o tom sisudo e maçante do anterior. Devo incentivar o leitor a ler toda a crônica, para ficar bem informado e se divertir pacas! (Que que é isso?), mas caso você não tenha tanto tempo livre, peço que ignore os parênteses e passe a vista apenas nos textos. O que está entre parênteses pode ser ignorado sem qualquer prejuízo para nossos amiguinhos e só para contrariar o mestre Pasquale vou cometer outro erro de pontuação, esse proposital. Vou fechar o parêntese com um colchete e sem ponto final]
                Que dizia? Ah sim, vamos as notícias do Tocantins. Aqui no mais recente estado da federação uma moça resolveu fazer uma festinha “não-surpresa” para comemorar seu aniversário (popularmente chamado de niver). Infelizmente a festa foi uma surpresa pra ela, porque ninguém compareceu ao evento. A aniversariante fez até bolo e quitutes apropriados á essas comemorações. No dia seguinte, tentando não perder os preparativos fez novamente a festa e adivinhem, ninguém apareceu novamente. Antenada ao marketing local e cheia de esperanças a moça resolveu remarcar a festinha, dessa vez temática e com causa social, o que sobrasse seria doado a uma instituição de caridade (calcule) e para sua surpresa (e para surpresa de Dom Drapper que sugeriu a idéia), novamente não compareceu a festança nem uma viva alma humana. Um cachorro que passeava pelo local acabou comendo boa parte dos quitutes. No dia seguinte (essa é brasileira e não desiste nunca) a mulher fez novamente a festa, dessa vez o cachorro do dia anterior apareceu com cinco amigos, também de quatro patas. A mulher agora afirmou que no ano que vem vai fazer quitutes com ração animal, dessa vez eu acho que vai bombar hein! Só para não destoar do título, digo que foi uma “festa fantasma”.
                E por falar em festa fantasma. Um camarada no carnaval resolveu dar uma de Nicolas Cage. O rapaz decidiu virar o motoqueiro fantasma e por pouco não vira um fantasma mesmo. Vejam só, o camarada estava rodando na BR de moto sem nenhum farol ou luz acessa, obviamente não deu certo. Um carro que passava pela estrada acabou batendo no motoqueiro. A polícia, que chegou ao local minutos depois, ficou sem compreender como foi que o rapaz conseguiu dirigir na BR sem nenhuma luz para auxiliá-lo. Um leitor mais anedótico deverá dizer que a luz divina o guiava e honestamente não lhe tiro a razão e ainda lhe dou a minha. Felizmente (será?) o rapaz não sofreu muito, mas sua moto acabou caindo em um barranco e virou sucata.

                {Segundo os cronistas renomados da nave-do-rubi eu deveria fazer uma ligação entre as duas histórias e terminar com algum tipo de lição para o enfadado leitor, mas deixo que sua mente trabalhe e pense por si mesmo em alguma coisa.}


cronica-motoqueiro-fantasma-dom-drapper
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Coxinha Estragada

Acordei tarde hoje e desobedecendo meu costume não fiz almoço, então fui á lanchonete da quadra comer um salgado. Não que eu seja do tipo que se satisfaz fácil (as "primas" da zona que o digam), mas ordinariamente não como muito no almoço, prefiro comer mais na janta, assim posso dormir de "bucho cheio" como diria seu "Maneu".

 Quando cheguei havia apenas uma coxinha na estufa, e estava exuberantemente convidativa, talvez pela minha fome, ou por ser a última, o aspecto geral me agradou. Também me agradou a moça que estava atendendo, bastante simpática, bonita a bicha ó, dessas de tirar o fôlego. Aparentemente estava em treinamento, porque tinha uma senhora de mal-humor e um cigarro, inapropriadamente perto da comida, na boca, que lhe dizia tudo o que ela tinha que fazer.

 Peguei a coxinha, paguei e fui andando e comendo, pouco depois da segunda mordida, quando chegamos na parte do recheio, para minha decepção o frango estava azedo e quase vomito ali mesmo.…

Caderno 1

Cadernos do Cárcere_ offline
 O primeiro, tal qual o último, que também não consistia em nada. O título é esse mesmo que vossas senhorias conhecem dos espólios narrativos dos professores de ensino médio, ou daqueles que ensinam “humanas” nas universidades públicas país afora.
 Em que consiste? Bem, afigura-se que estou sem internet e na falta de qualquer outro atrativo resolvi escrever-lhe, diretamente do cárcere do mundo off-line, vejam o drama! Teorizar a situação em si e conjecturar sobre as possíveis implicações de um mundo sem internet seria uma forma fácil e rápida de encher a tela com palavras, mas não faço. Primeiro por respeito a quem por ventura vier a ler isso, segundo porque não estou completamente certo se sairia alguma coisa substancial dessa empreitada.
  Se não vamos teorizar o mundo “off-line” e nem nada do tipo, que diabos vamos escrever? Bem, o esquizofrênico que por ventura ler, ouvir ou captar esse texto, provavelmente vai se perguntar quem está escrevendo (porq…

Morte acidental

Enquanto ele falava, eu arrumava a churrasqueira até que todos viessem. Era uma típica festa de firma, onde as pessoas vão para encher a cara e esquecer os problemas. Comer alguma coisa e ir embora. O almoço estava marcado para uma hora da tarde, eu cheguei mais cedo para ajudar nos preparativos, porque era minha tarefa já que era o mais novo no trabalho. Ele já tinha tomado alguns copos de whisky, sua esposa estava dentro da casa preparando os outros itens da festa. Já bêbado, ele entrou na piscina, aí começou a pedir para eu contar quanto tempo ele ficava sem respirar debaixo d’agua. 30 segundos, 25 segundos, 10 segundos. 
- Você é muito ruim nisso. Disse eu. 
Ele então me desafiou, pegou um relógio desses com cronômetro e começou a contar. Meu melhor tempo foi um minuto e quinze segundos. Ele disse que conseguia isso, mas que eu teria que baixar a cabeça dele, para que não voltasse antes do tempo. Ele era alto, branco, magro, chamavam-no de boneco de Olinda, quando não estava por …