Pular para o conteúdo principal

A Chave, Machado de Assis


    Não sei se lhes diga simplesmente que era de madrugada, ou se comece num tom mais
poético: aurora, com seus róseos dedos... A maneira simples é o que melhor me conviria
a mim, ao leitor, aos banhistas que estão agora na Praia do Flamengo — agora, isto é, no
dia 7 de outubro de 1861, que é quando tem princípio este caso que lhes vou contar.
Convinha-nos isto; mas há lá um certo velho, que me não leria, se eu me limitasse a dizer
que vinha nascendo a madrugada, um velho que... degamos quem era o velho.
Imaginem os leitores um sujeito gordo, não muito gordo — calvo, de óculos, tranqüilo,
tardo, meditativo. Tem sessenta anos: nasceu com o século. Traja asseadamente um
vestuário da manhã; vê-se que é abastado ou exerce algum alto emprego na
administração. Saúde de ferro. Disse já que era calvo; equivale a dizer que não usava
cabeleira. Incidente sem valor, observará a leitora, que tem pressa. Ao que lhe replico que
o incidente é grave, muito grave, extraordinariamente grave. A cabeleira devia ser o
natural apêndice da cabeça do major Caldas, porque cabeleira traz ele no espírito, que
também é calvo.

      Calvo é o espírito. O major Caldas cultivou as letras, desde 1821 até 1840 com um ardor
verdadeiramente deplorável. Era poeta; compunha versos com presteza, retumbantes,
cheios de adjetivos, cada qual mais calvo do que ele tinha de ficar em 1861. A primeira
poesia foi dedicada a não sei que outro poeta, e continha em germe todas as odes e
glosas que ele havia de produzir. Não compreendeu nunca o major Caldas que se
pudesse fazer outra cousa que não glosas e odes de toda a casta, pindáricas ou
horacianas, e também idílios piscatóricos, obras perfeitamente legítimas na aurora literária
do major. Nunca para ele houve poesia que pudesse competir com a de um Dinis ou
Pimentel Maldonado; era a sua cabeleira do espírito.

   Ora, é certo que o major Caldas, se eu dissesse que era de madrugada, dar-me-ia um
muxoxo ou franziria a testa com desdém. — Madrugada! era de madrugada! murmuraria
ele. Isto diz aí qualquer preta: — "nhanhã, era de madrugada..." Os jornais não dizem de
outro modo; mas numa novela...

   Vá pois! A aurora, com seus dedos cor-de-rosa, vinha rompendo as cortinas do oriente,
quando Marcelina levantou a cortina da barraca. A porta da barraca olhava justamente
para o oriente, de modo que não há inverossimilhança em lhes dizer que essas duas
auroras se contemplaram por um minuto. Um poeta arcádico chegaria a insinuar que a
aurora celeste enrubesceu de despeito e raiva. Seria porém levar a poesia muito longe.
Deixemos a do céu e venhamos à da terra. Lá está ela, à porta da barraca com as mãos
cruzadas no peito, como quem tem frio; traja a roupa usual das banhistas, roupa que só
dá elegância a quem já a tiver em subido grau. É o nosso caso.

     Assim, à meia-luz da manhã nascente, não sei se poderíamos vê-la de modo claro. Não;
é impossível. Quem lhe examinaria agora aqueles olhos úmidos, como as conchas da
praia, aquela boca pequenina, que parece um beijo perpétuo? Vede, porém, o talhe, a
curva amorosa das cadeiras, o trecho de perna que aparece entre a barra da calça de
flanela e o tornozelo; digo o tornozelo e não o sapato porque Marcelina não calça sapatos
de banho. Costume ou vaidade? Pode ser costume; se for vaidade é explicável porque o
sapato esconderia e mal os pés mais graciosos de todo o Flamengo, um par de pés finos,
esguios, ligeiros. A cabeça também não leva coifa; tem os cabelos atados em parte, em
parte trançados — tudo desleixadamente, mas de um desleixo voluntário e casquilho.
   Agora, que a luz está mais clara, podemos ver bem a expressão do rosto, É uma
expressão singular de pomba e gato, de mimo e desconfiança. Há olhares dela que
atraem, outros que distanciam — uns que inundam a gente, como um bálsamo, outros
que penetram como uma lâmina. É desta última maneira que ela olha para um grupo de
duas moças, que estão à porta de outra barraca, a falar com um sujeito.

— Lambisgóias! murmura entre dentes.

— Que é? pergunta o pai de Marcelina, o major Caldas, sentado ao pé da barraca, numa
cadeira que o moleque lhe leva todas as manhãs.
— Que é o quê? diz a moça.

— Tu falaste alguma cousa.
— Nada.

— Estás com frio?
— Algum.

— Pois olha, a manhã está quente.
— Onde está o José?

      O José apareceu logo; era o moleque que a acompanhava ao mar. Aparecido o José,
Marcelina caminhou para o mar, com um desgarro de moça bonita e superior. Da outra
barraca tinham já saído as duas moças, que lhe mereceram tão desdenhosa
classificação; o rapaz que estava com elas também entrara no mar. Outras cabeças e
bustos surgiram da água, como um grupo de delfins. Da praia alguns olhos, puramente
curiosos, se estendiam aos banhistas ou cismavam puramente contemplando o petáculo
das ondas que se dobravam e desdobravam — ou, como diria o major Caldas — as
convulsões de Anfitrite.

    O major ficou sentado a ver a filha, com o Jornal do Commercio aberto sobre os joelhos;
tinha já luz bastante para ler as notícias; mas não o fazia nunca antes de voltar a filha do
banho. Isto por duas razões. Era a primeira a própria afeição de pai; apesar da confiança
na destreza da filha, receava algum desastre. Era a segunda o gosto que lhe dava
contemplar a graça e a habilidade com que Marcelina mergulhava, bracejava ou
simplesmente boiava "como uma náiade", acrescentava ele se falava disso a algum
amigo.

   Acresce que o mar naquela manhã estava muito mais bravio que de costume; a ressaca
era forte; os buracos da praia mais fundos; o medo afastava vários banhistas habituais.
— Não te demores muito, disse o major, quando a filha entrou; toma cuidado.

  Marcelina era destemida; galgou a linha em que se dava a arrebentação, e surdiu fora
muito naturalmente. O moleque, aliás bom nadador, não rematou a façanha com igual
placidez; mas galgou também e foi surgir ao lado da sinhá-moça.

— Hoje o bicho não está bom, ponderou um banhista ao lado de
Marcelina, um homem maduro, de suíças, ar aposentado.

— Parece que não, disse a moça; mas para mim é o mesmo.

— O major continua a não gostar d’água salgada? perguntou uma senhora.

— Diz que é militar de terra e não do mar, replicou Marcelina, mas eu creio que papai o
que quer é ler o Jornal à vontade.

— Podia vir lê-lo aqui, insinuou um rapaz de bigodes, dando uma grande risada de
aplauso a si mesmo.

      Marcelina nem olhou para ele; mergulhou diante de uma onda, surdiu fora, com as mãos
sacudiu os cabelos. O sol, que já então aparecera, alumiava-a nessa ocasião, ao passo
que a onda, seguindo para a praia, deixava-lhe todo o busto fora de água. Foi assim que
a viu, pela primeira vez, com os cabelos úmidos, e a flanela grudada ao busto — ao mais
correto e virginal busto daquelas praias —, foi assim que pela primeira vez a viu o
Bastinhos — o Luís Bastinhos —, que acabava de entrar no mar, para tomar o primeiro
banho no Flamengo.

CAPÍTULO II

   A ocasião é a menos própria para apresentar-lhes o sr. Luís Bastinhos; a ocasião e o
lugar. O vestuário então é impropriíssimo. Ao vê-lo agora, a meio-busto, nem se pode
dizer que tenha vestuário de nenhuma espécie. Emerge-lhe a parte superior do corpo,
boa musculatura, pele alva, mal coberta de alguma penugem. A cabeça é que não precisa
dos arrebiques da civilização para dizer-se bonita. Não há cabeleireiro, nem óleo, nem
pente, nem ferro que no-la ponham mais graciosa. Ao contrário, a pressão fisionômica de
Luís Bastinhos acomoda-se melhor a esse desalinho agreste e marítimo. Talvez perca,
quando se pentear. Quanto ao bigode, fino e curto, os pingos d’água que ora lhe
escorrem não chegam a diminuí-lo; não chegam sequer a ver-se. O bigode persiste como
dantes.

   Não o viu Marcelina, ou não reparou nele. O Luís Bastinhos é que a viu, e mal pôde
disfarçar a admiração. O major Caldas, se os observasse, era capaz de casá-los, só para
ter o gosto de dizer que unia uma náiade a um tritão. Nesse momento a náiade repara
que o tritão tem os olhos fitos nela, e mergulha, depois mergulha outra vez, nada e bóia.
Mas o tritão é teimoso, e não lhe tira os olhos de cima.
"Que importuno!" diz ela consigo.

— Olhem uma onda grande, brada um dos conhecidos de Marcelina.

 Todos se puseram em guarda, a onda enrolou alguns, mas passou sem maior dano.
Outra veio e foi recebida com um alarido alegre; enfim veio uma mais forte, e assustou
algumas senhoras. Marcelina riu-se delas.

— Nada, dizia uma; salvemos o pêlo; o mar está ficando zangado.

— Medrosa! acudiu Marcelina.

— Pois sim...

— Querem ver? continuou a filha do major. Vou mandar embora o moleque.

— Não faça isso, D. Marcelina, acudiu o banhista de ar aposentado.

— Não faço outra cousa. José, vai-te embora.

— Mas, nhanhã...

— Vai-te embora!

     O José ainda esteve alguns segundos, sem saber o que fizesse; mas, parece que entre
desagradar ao pai ou à filha, achou mais arriscado desagradar à filha, e caminhou para
terra. Os outros banhistas tentaram persuadir à moça que devia vir também, mas era
tempo baldado. Marcelina tinha a obstinação de um enfant gâté. Lembraram alguns que
ela nadava como um peixe, e resistira muita vez ao mar.

— Mas o mar do Flamengo é o diabo, ponderou uma senhora. Os banhistas pouco a
pouco foram deixando o mar. Do lado de terra, o major Caldas, de pé, ouvia impaciente a
explicação do moleque, sem saber se o devolveria à água ou se cumpriria a vontade da
filha; limitou-se a soltar palavras de enfado.

— Santa Maria! exclamou de repente o José.

— Que foi? disse o major.

   O José não lhe respondeu; atirou-se à água. O major olhou e não viu a filha.
Efetivamente, a moça, vendo que no mar só ficava o desconhecido, nadou para terra,
mas as ondas tinham-se sucedido com freqüência e impetuosidade. No lugar da
arrebentação foi envolvida por uma; nesse momento é que o moleque a viu.

— Minha filha! bradou o major.

     E corria desatinado pela areia, enquanto o moleque conscienciosamente buscava
penetrar no mar. Mas era já empresa escabrosa; as ondas estavam altas, fortes e a
arrebentação terrível. Outros banhistas acudiram também a salvar a filha do major; mas a
dificuldade era só uma para todos. Caldas, ora implorava, ora ordenava ao moleque que
lhe restituísse a filha. Enfim, José conseguiu entrar no mar. Mas já então lutava ali, junto
ao funesto lugar, o desconhecido banhista que tanto aborrecera a filha do major. Este
estremeceu de alegria, de esperança, quando viu que alguém forcejava por arrancar a
moça da morte. Na verdade, o vulto de Marcelina apareceu nos braços do Luís Bastinhos;
mas uma onda veio e os enrolou a ambos. Nova luta, novo esforço e desta vez definitivo
triunfo. Luís Bastinhos chegou à praia arrastando consigo a moça.

— Morta! exclamou o pai correndo a vê-la.

Examinaram-na.

— Não, desmaiada, apenas.

      Com efeito, Marcelina perdera os sentidos, mas não morrera. Deram-lhe os socorros
médicos; ela voltou a si. O pai, singelamente alegre, apertou Luís Bastinhos ao coração.

— Devo-lhe tudo! disse ele.
— A sua felicidade me paga de sobra, tornou o moço.

      O major fitou-o alguns instantes; impressionara-o a resposta. Depois apertou-lhe a mão e
ofereceu-lhe a casa. Luís Bastinhos retirou-se antes que Marcelina pudesse vê-lo.

CAPÍTULO III

     Na verdade, se a leitora gosta de lances romanescos, aí fica um, com todo o valor das
antigas novelas, e pode ser também que dos dramalhões antigos. Nada falta: o mar, o
perigo, uma dama que se afoga, um desconhecido que a salva, um pai que passa da
extrema aflição ao mais doce prazer da vida; eis aí com que marchar cerradamente a
cinco atos maçudos e sangrentos, rematando tudo com a morte ou a loucura da heroína.
Não temos cá nem uma cousa nem outra. A nossa Marcelina não morreu nem morre;
douda pode ser que já fosse, mas de uma doidice branda, a doidice das moças em flor.
Ao menos pareceu que tinha alguma cousa disso, quando naquele mesmo dia soube que
fora salva pelo desconhecido.

— Impossível! exclamou.
— Por quê?
— Foi ele deveras?

— Pois então! Salvou-te com perigo da vida própria; houve um momento, em que eu
cuidei que ambos vocês morriam enrolados na onda.

— É a cousa mais natural do mundo, interveio a mãe; e não sei de que te espantas...

     Marcelina não podia, na verdade, explicar a causa do espanto; ela mesma não a sabia.
Custava-lhe a crer que Luís Bastinhos a tivesse salvo, e isso só porque "embirrara com
ele". Ao mesmo tempo, pesava-lhe o obséquio. Não quisera ter morrido; mas era melhor
que outro a houvesse arrancado ao mar, não aquele homem, que afinal era um grande
metediço. Marcelina esteve inclinada a crer que Luís Bastinhos encomendara o desastre
para ter ocasião de a servir.

     Dous dias depois, Marcelina voltou ao mar, já pacificado dos seus furores de encomenda.
Ao olhar para ele, teve uns ímpetos de Xerxes; fá-lo-ia castigar, se dispusesse de um bom
e grande vergalho. Não tendo o vergalho, preferiu flagelá-lo com os seus próprios braços,
e nadou nesse dia mais tempo e mais fora do que era costume, não obstante as
recomendações do major. Levava naquilo um pouco, ou antes, muito amor-próprio: o
desastre envergonhara-a.

     O Luís Bastinhos, que já lá estava no mar, travou conversação com a filha do major. Era a
segunda vez que se viam, e a primeira que se falavam.

— Soube que foi o senhor quem me ajudou... a levantar anteontem, disse Marcelina.
O Luís Bastinhos sorriu mentalmente; e ia responder por uma simples afirmativa, quando
Marcelina continuou:

— Ajudou, não sei; eu creio que cheguei a perder os sentidos, e o senhor... sim... o
senhor foi quem me salvou. Permite-me que lhe agradeça? concluiu ela, estendendo a
mão.

Luís Bastinhos estendeu a sua; e ali, entre duas ondas, tocaram-se os dedos do tritão e
da náiade.

— Hoje o mar está mais manso, disse ele.
— Está.
— A senhora nada bem.
— Parece-lhe?
— Perfeitamente.
— Menos mal.

   E como para mostrar a sua arte, Marcelina entrou a nadar para fora, deixando Luís
Bastinhos. Este, porém, ou por mostrar que também sabia a arte e que era destemido —
ou por não privar a moça de pronto socorro, caso houvesse necessidade —, ou enfim (e
este motivo pode ter sido o principal, se não único) — para vê-la sempre de mais perto —,
lá foi na mesma esteira; dentro de pouco era uma espécie de aposta entre os dous.

— Marcelina, disse-lhe o pai, quando ela voltou a terra, você hoje foi mais longe do que
nunca. Não quero isso, ouviu?

   Marcelina levantou os ombros, mas obedeceu ao pai, cujo tom nessa ocasião era
desusadamente ríspido. No dia seguinte, não foi tão longe a nadar; a conversar, porém,
foi muito mais longe do que na véspera. Ela confessou ao Luís Bastinhos, ambos com a
água até o pescoço, confessou que gostava muito de café com leite, que tinha vinte e
um anos, que possuía reminiscências do Tamberlick, e que o banho do mar seria
excelente, se não a obrigassem a acordar cedo.

— Deita-se tarde, não é? perguntou o Luís Bastinhos.
— Perto de meia-noite.
— Oh! dorme pouco!
— Muito pouco.
— De dia dorme?
— Às vezes.

   Luís Bastinhos confessou, pela sua parte, que se deitava cedo, muito cedo, desde que
estava a banhos de mar.

— Mas quando for ao teatro?
— Nunca vou ao teatro.
— Pois eu gosto muito.
— Também eu; mas enquanto estiver a banhos...

   Foi neste ponto que entraram as reminiscências do Tamberlick, que Marcelina ouviu,
quando criança; e daí ao João Caetano, e do João Caetano a não sei que outras
reminiscências, que a um e a outro fez esquecer a higiene e a situação.

CAPÍTULO IV

   Saiamos do mar que é tempo. A leitora pode desconfiar que o intento do autor é fazer um
conto marítimo, a ponto de casar os dous heróis nos próprios "paços de Anfitrite", como
diria o major Caldas. Não; saiamos do mar. Já tens muita água, boa Marcelina. Too much
of water hast thou, poor Ophelia! A diferença é que a pobre Ofélia lá ficou, ao passo que
tu sais sã e salva, com a roupa de banho pegada ao corpo, um corpo grego, por Deus! e
entras na barraca, e se alguma cousa ouves, não são as lágrimas dos teus, são os
resmungos do major. Saiamos do mar.

   Um mês depois do último banho a que o leitor assistiu, já o Luís Bastinhos freqüentava a
casa do major Caldas. O major afeiçoara-se-lhe deveras depois que ele lhe salvara a
filha. Indagou quem era; soube que estava empregado numa repartição de Marinha, que
seu pai, já agora morto, fora capitão-de-fragata e figurara na guerra contra Rosas. Soube
mais que era moço bem reputado e decente. Tudo isto realçou a ação generosa e
corajosa de Luís Bastinhos, e a intimidade começou, sem oposição da parte de Marcelina,
que antes contribuiu para ela, com as suas melhores maneiras.

    Um mês era de sobra para arraigar no coração de Luís Bastinhos a planta do amor que
havia germinado entre duas vagas do Flamengo. A planta cresceu, copou, bracejou
ramos a um e outro lado, tomou o coração todo do rapaz, que não se lembrava jamais de
haver gostado tanto de uma moça. Era o que ele dizia a um amigo de infância, seu atual
confidente.

— E ela? disse-lhe o amigo.
— Ela... não sei.
— Não sabes?
— Não; creio que não gosta de mim, isto é, não digo que se aborreça comigo; trata-me
muito bem, ri muito, mas não gosta... entendes?

— Não te dá corda em suma, concluiu o Pimentel, que assim se chamava o amigo
confidente. Já lhe disseste alguma cousa?

— Não.
— Por que não lhe falas?
— Tenho receio... Ela pode zangar-se e fico obrigado a não voltar lá ou a freqüentar
menos, e isso para mim seria o diabo.

     O Pimentel era uma espécie de filósofo prático, incapaz de suspirar dous minutos pela
mais bela mulher do mundo, e menos ainda de compreender uma paixão como a do Luís
Bastinhos. Sorriu, estendeu-lhe a mão em despedida, mas o Luís Bastinhos não
consentiu na separação. Puxou-o, deu-lhe o braço, levou-o a um café.

— Mas que diabo queres tu que te faça? perguntou o Pimentel sentando-se à mesa com
ele.

— Que me aconselhes.
— O quê?

— Não sei o quê, mas dize-me alguma cousa, replicou o namorado. Talvez convenha
falar ao pai; que te parece?

— Sem saber se ela gosta de ti?

— Na verdade era imprudência, concordou o outro, coçando o queixo com a ponta do
dedo índice; mas talvez goste...

— Pois então...

— Porque, eu te digo, ela não me trata mal; ao contrário, às vezes tem uns modos, umas
cousas... mas não sei... O major esse gosta de mim.

— Ah!
— Gosta.
— Pois aí tens, casa-te com o major.
— Falemos sério.

— Sério? repetiu o Pimentel debruçando-se sobre a mesa e encarando o outro. Aqui vai o
mais sério que há no mundo; tu és um... digo?

— Dize.
— Tu és um bolas.

Repetiam-se essas cenas regularmente, uma ou duas vezes, por semana. No fim delas o
Luís Bastinhos prometia duas cousas a si mesmo: não dizermais nada ao Pimentel e ir
fazer imediatamente a sua confissão a Marcelina; poucos dias depois ia confessar ao
Pimentel que ainda não dissera nada a Marcelina. E o Pimentel abanava a cabeça e
repetia o estribilho:

— Tu és um bolas.

CAPÍTULO V

    Um dia assentou Luís Bastinhos que era vergonha dilatar por mais tempo a declaração de
seus afetos; urgia clarear a situação. Ou era amado ou não; no primeiro caso, o silêncio
era tolice; no segundo a tolice era a assiduidade. Tal foi a reflexão do namorado; tal foi a
sua resolução.
A ocasião era na verdade propícia. O pai ia passar a noite fora; a moça ficara com uma tia
surda e sonolenta. Era o sol de Austerlitz; o nosso Bonaparte preparou a sua melhor
tática. A fortuna deu-lhe até um grande auxiliar na própria moça, que estava triste; a
tristeza podia dispor o coração a sentimentos benévolos, principalmente quando outro
coração lhe dissesse que não duvidava beber na mesma taça da melancolia. Esta foi a
primeira reflexão de Luís Bastinhos; a segunda foi diferente.

— Por que estará ela triste? perguntou ele a si mesmo.

    E eis o dente do ciúme a trincar-lhe o coração, e o sangue a esfriar-lhe nas veias, e uma
nuvem a cobrir-lhe os olhos. Não era para menos o caso. Ninguém adivinharia nessa
moça quieta e sombria, sentada a um canto do sofá, a ler as páginas de um romance,
ninguém adivinharia nela a borboleta ágil e volúvel de todos os dias. Alguma cousa devia
ser; talvez a mordesse algum besouro. E esse besouro não era decerto o Luís Bastinhos;
foi o que este pensou e foi o que o entristeceu.

Marcelina ergueu os ombros.
— Alguma cousa que a incomoda, continuou ele.
Um silêncio.
— Não?
— Talvez.
— Pois bem, disse Luís Bastinhos com calor e animado por aquela meia confidência; pois
bem, diga-me tudo, eu saberei ouvi-la e terei palavras de consolação para as suas dores.

    Marcelina olhou um pouco espantada para ele, mas a tristeza dominou outra vez e
deixou-se estar calada alguns instantes: finalmente pôs-lhe a mão no braço, e disse que
lhe agradecia muito o interesse que mostrava, mas que o motivo de tristeza era-o só para
ela e não valia a pena contá-lo. Como Luís Bastinhos teimasse para saber o que era,
contou a moça que lhe morrera, nessa manhã, o mico.

   Luís Bastinhos respirou à larga. Um mico! um simples mico! Era pueril o objeto, mas para
quem o esperava terrível, antes assim. Ele entregou-se depois a toda a sorte de
considerações próprias do caso, disse-lhe que não valia o bicho a pureza dos belos olhos
da moça; e daí a escorregar uma insinuação de amor era um quase nada. Ia a fazê-lo:
chegou o major.

    Oito dias depois houve em casa do major um sarau — "uma brincadeira" como disse o
próprio major. Luís Bastinhos foi; estava porém arrufado com a moça: deixou-se ficar a
um canto; não se falaram durante a noite inteira.

— Marcelina, disse-lhe no dia seguinte o pai; acho que tratas às vezes mal o Bastinhos.
Um homem que te salvou da morte.

— Que morte?
— Da morte na Praia do Flamengo.
— Mas, papai, se a gente fosse a morrer de amores por todas as pessoas que nos
salvam da morte...

— Mas quem te fala nisso? digo que o tratas mal às vezes...
— Às vezes, é possível.
— Mas por quê? ele parece-me um bom rapaz.

    Nada mais lhe respondendo a filha, entrou o major a bater com a ponta do pé no chão,
um pouco enfadado. Um pouco? talvez muito. Marcelina destruía-lhe as esperanças,
reduzia-lhe a nada o projeto que ele acalentava desde algum tempo, — que era casar os
dous; — casá-los ou uni-los pelos "doces laços do himeneu", que todas foram as suas
próprias expressões mentais. E vai a moça e destrói-lho. O major sentia-se velho, podia
morrer, e quisera deixar a filha casada e bem casada. Onde achar melhor marido que o
Luís Bastinhos?
— Uma pérola, dizia ele a si mesmo.

     E enquanto ele ia forjando e desforjando esses projetos, Marcelina suspirava consigo
mesma, e sem saber por que; mas suspirava. Também esta pensava na conveniência de
casar e casar bem; mas nenhum homem lhe abrira deveras o coração. Quem sabe se a
fechadura não servia a nenhuma chave? Quem teria a verdadeira chave do coração de
Marcelina? Ela chegou a supor que fosse um bacharel da vizinhança, mas esse casou
dentro de algum tempo; depois desconfiara que a chave estivesse em poder de um oficial
de Marinha. Erro: o oficial não trazia chave consigo. Assim andou de ilusão em ilusão, e
chegou à mesma tristeza do pai. Era fácil acabar com ela: era casar com o Bastinhos.
Mas se o Bastinhos, o circunspecto, o melancólico, o taciturno Bastinhos não tinha a
chave! Equivalia a recebê-lo à porta sem lhe dar entrada no coração.

CAPÍTULO VI

    Cerca de mês e meio depois fazia anos o major, que, animado pelo sarau precedente,
quis comemorar com outro aquele dia. "Outra brincadeira, mas desta vez rija", foram os
próprios termos em que ele anunciou o caso ao Luís Bastinhos, alguns dias antes.
Pode-se dizer e acreditar que a filha do major não teve outro pensamento desde que o pai
lho comunicou também. Começou por encomendar um rico vestido, elegeu costureira,
adotou corte, coligiu adornos, presidiu a toda essa grande obra doméstica. Jóias, flores,
fitas, leques, rendas, tudo lhe passou pelas mãos, e pela memória e pelos sonhos. Sim, a
primeira quadrilha foi dançada em sonhos, com um belo cavalheiro húngaro, vestido à
moda nacional, cópia de uma gravura da Ilustração Francesa, que ela vira de manhã.

   Acordada, lastimou sinceramente que não fosse possível ao pai encomendar, de envolta
com os perus da ceia, um ou dous cavalheiros húngaros — entre outros motivos porque
eram valsadores intermináveis. E depois tão bonitos!

— Sabem que eu pretendo dançar no dia 20? disse o major uma noite, em casa.
— Você? retorquiu-lhe um amigo velho.
— Eu.
— Por que não? assentiu timidamente o Luís Bastinhos.
— Justamente, continuou o major voltando-se para o salvador da filha. E o senhor há de
ser o meu vis-à-vis...

— Eu?

— Não dança?

— Um pouco, retorquiu modestamente o moço.

— Pois há de ser o meu vis-à-vis.
 
      Luís Bastinhos curvou-se como quem obedece a uma opressão; com a flexibilidade
passiva do fatalismo. Se era necessário dançar, ele o faria, porque dançava como
poucos, e obedecer ao velho era uma maneira de amar a moça. Ai dele! Marcelina olhou-o
com tamanho desprezo, que se ele lhe apanha o olhar, não é impossível que de uma
vez para sempre ali deixasse de pôr os pés. Mas não o viu; continuou a arredá-los dali
bem poucas vezes.

     Os convites foram profusamente espalhados. O major Caldas fez o inventário de todas as
suas relações, antigas e modernas, e não quis que nenhum camarão lhe escapasse pelas
malhas: lançou uma rede fina e instante. Se ele não pensava em outra cousa o velho
major! Era feliz; sentia-se poupado da adversidade, quando muitos outros companheiros
vira cair, uns mortos, outros extenuados somente. A comemoração de seu aniversário
tinha, portanto, uma significação mui alta e especial; e foi isso mesmo o que ele disse à
filha e aos demais parentes.

O Pimentel, que também fora convidado, sugeriu a Luís Bastinhos a idéia de dar um
presente de anos ao major.

— Já pensei nisso, retorquiu o amigo; mas não sei o que lhe dê.
— Eu te digo.
— Dize.
— Dá-lhe um genro.
— Um genro?
— Sim, um noivo à filha; declara o teu amor e pede-a. Verás que, de todas as dádivas
desse dia, essa será a melhor.

Luís Bastinhos bateu palmas ao conselho do Pimentel.
— É isso mesmo, disse ele; eu andava com a idéia em alguma jóia, mas...
— Mas a melhor jóia és tu mesmo, concluiu o Pimentel.
— Não digo tanto.
— Mas pensas.
— Pimentel!

— E eu não penso outra cousa. Olha, se eu tivesse intimidade na casa, há muito tempo
que estarias amarrado à pequena. Pode ser que ela não goste de ti; mas também é difícil
a uma moça alegre e travessa gostar de um casmurro, como tu — que te sentas, defronte
dela, com um ar solene e dramático, a dizer em todos os teus gestos: minha senhora, fui
eu que a salvei da morte; deve rigorosamente entregar-me a sua vida... Ela pensa decerto
que estás fazendo um calembour de mau gosto e fecha-te a porta...

Luís Bastinhos esteve calado alguns instantes.

— Perdôo-te tudo, a troco do conselho que me deste; vou oferecer um genro ao major.

    Dessa vez, como de todas as outras, a promessa era maior do que a realidade; ele lá foi,
lá tornou, nada fez. Iniciou duas ou três vezes uma declaração; chegou a entornar um ou
dous olhares de amor, que não pareceram de todo feios à pequena; e, porque ela sorriu,
ele desconfiou e desesperou. Qual! pensava consigo o rapaz; ela ama a outro com
certeza.

       Veio enfim o dia, o grande dia. O major deu um pequeno jantar, em que figurou Luís
Bastinhos; de noite reuniu uma parte dos convidados, porque nem todos lá puderam ir, e
fizeram bem; a casa não dava para tanto. Ainda assim era muita gente reunida, muita e
brilhante, e alegre, como alegre parecia e deveras estava o major. Não se disse nem se
dirá dos brindes do major, à mesa do jantar; não podem inserir-se aqui todas as
recordações clássicas do velho poeta de outros anos; seria não acabar mais. A única
cousa que verdadeiramente se pode dizer é que o major declarou, à sobremesa, ser esse
o dia mais venturoso de todos os seus longos anos, entre outros motivos, porque tinha
gosto de ver ao pé de si o jovem salvador da filha.

— Que idéia! murmurou a filha; e deu um imperceptível muxoxo. Luís Bastinhos
aproveitou o ensejo. "Magnífico, disse ele consigo; depois do café, peço-lhe duas
palavras em particular, e logo depois a filha."

    Assim fez; tomado o café, pediu ao major uns cinco minutos de atenção. Caldas, um
pouco vermelho de comoção e de champagne, declarou-lhe que até lhe daria cinco mil
minutos, se tantos fossem precisos.
Luís Bastinhos sorriu lisonjeado a essa deslocada insinuação; e, entrando no gabinete
particular do major, foi sem mais preâmbulo ao fim da entrevista; pediu-lhe a filha em
casamento. O major quis resguardar um pouco a dignidade paterna; mas era impossível.
Sua alegria foi uma explosão.

— Minha filha! bradou ele; mas... minha filha... ora essa... pois não!... Minha filha!

    E abria os braços e apertava com eles o jovem candidato, que, um pouco admirado do
próprio atrevimento, chegou a perder o uso da voz. Mas a voz era, aliás, inútil, ao menos
durante o primeiro quarto de hora, em que só falou o ambiciado sogro, com uma
volubilidade sem limites. Cansou enfim, mas de um modo cruel.

— Velhacos! disse ele; com que então... amam-se às escondidas...
— Eu?
— Pois quem?
— Peço-lhe perdão, disse Luís Bastinhos; mas não sei... não tenho certeza...
— Quê! não se correspondem?...
— Não me tenho atrevido...
O major abanou a cabeça com certo ar de irritação e lástima; pegou-lhe das mãos e fitouo
durante alguns segundos.

— Tu és afinal de contas um pandorga, sim, um pandorga — disse ele, largando-lhe as
mãos.

  Mas o gosto de os ver casados era tal, e tal a alegria daquele dia de anos, que o major
sentiu a lástima converter-se em entusiasmo, a irritação em gosto, e tudo acabou em
boas promessas.

— Pois digo-te, que te hás de casar, concluiu ele; Marcelina é um anjo, tu outro, eu outro;
tudo indica que nos devemos ligar por laços mais doces do que as simples relações da
vida. Juro-te que serás o pai de meus netos...

    Jurava mal o major, porque daí a meia hora, quando ele chamou a filha ao gabinete, e lhe
comunicou o pedido, recebeu desta a mais formal recusa; e por que insistisse em querer
concedê-la ao rapaz, disse-lhe a moça que despediria o pretendente em plena sala, se
lhe falassem mais em semelhante absurdo. Caldas que conhecia a filha não disse mais
nada. Quando o pretendente lhe perguntou, daí a pouco, se devia considerar-se feliz, ele
usou um expediente assaz enigmático: piscou-lhe o olho. Luís Bastinhos ficou radiante;
ergueu-se às nuvens nas asas da felicidade.

   Durou pouco a felicidade; Marcelina não correspondia às promessas do major. Três ou
quatro vezes chegara-se a ela Luís Bastinhos, com uma frase piegas na ponta da língua,
e vira-se obrigado a engoli-la outra vez, porque a recepção de Marcelina não animava
mais. Irritado, foi sentar-se ao canto de uma janela, com os olhos na lua, que estava
esplêndida — uma verdadeira nesga de romantismo. Ali fez mil projetos trágicos, o
suicídio, o assassinato, o incêndio, a revolução, a conflagração dos elementos; ali jurou
que se vingaria de um modo exemplar. Como então soprasse uma brisa fresca, e ele a
recebesse em primeira mão, à janela, acalmaram-se-lhe as idéias fúnebres e
sangüíneas, e apenas lhe ficou um desejo de vingança de sala. Qual? Não sabia qual
fosse; mas trouxe-lha enfim uma sobrinha do major.

— Não dança? perguntou ela a Luís Bastinhos.
— Eu?
— O senhor.
— Pois não, minha senhora.

Levantou-se e deu-lhe o braço.

— De maneira que, disse ela, já agora são as moças que tiram os homens para dançar?

— Oh! não! protestou ele. As moças apenas ordenam aos homens o que devem fazer; e o
homem que está no seu papel obedece sem discrepar.

— Mesmo sem vontade? perguntou a prima de Marcelina.

— Quem é que neste mundo pode não ter vontade de obedecer a uma dama? disse Luís
Bastinhos com o seu ar mais piegas.

     Estava em pleno madrigal; iriam longe, porque a moça era das que saboreiam esse
gênero de palestra. Entretanto, tinham dado o braço, e passeavam ao longo da sala, à
espera da valsa, que se ia tocar. Deu sinal a valsa, os pares saíram, e começou o
turbilhão.
   Não tardou muito que a sobrinha do major compreendesse que estava abraçada a um
valsista emérito, a um verdadeiro modelo de valsistas. Que delicadeza! que segurança!
que acerto de passos! Ela, que também valsava com muita regularidade e graça,
entregou-se toda ao parceiro. E ei-los unidos, a voltearem rapidamente, leves como duas
plumas, sem perder um compasso, sem discrepar uma linha. Pouco a pouco, esvaziando-se
a arena, iam sendo os dous objeto exclusivo da atenção de todos. Não tardou que
ficassem sós; e foi então que o sucesso se formou decisivo e lisonjeiro. Eles giravam e
sentiam que eram o alvo da admiração geral; e ao senti-lo, criavam forças novas, e não
cediam o campo a nenhum outro. Pararam com a música

— Quer tomar alguma cousa? perguntou Luís Bastinhos com a mais adocicada de suas
entonações.

A moça aceitou um pouco de água; e enquanto andavam elogiavam um ao outro, com o
maior calor do mundo. Nenhum desses elogios, porém, chegou ao do major, quando daí a
pouco encontrou Luís Bastinhos.

— Pois você estava com isso guardado! disse ele.

— Isso quê?

— Isso... esse talento que Deus concedeu a poucos... a bem raros. Sim, senhor; pode
crer que é o rei da minha festa.

   E apertou-lhe muito as mãos, piscando o olho. Luís Bastinhos tinha já perdido toda a fé
naquele jeito peculiar do major; recebeu-o com frieza. O sucesso entretanto fora grande;
ele o sentiu nos olhares sorrateiros dos outros rapazes, nos gestos de desdém que eles
faziam; foi a consagração última.

— Com que então, só minha prima é que mereceu uma valsa!

     Luís Bastinhos estremeceu, ao ouvir esta palavra; voltou-se; deu com os olhos em
Marcelina. A moça repetiu o dito, batendo-lhe com o leque no braço. Ele murmurou
algumas palavras, que a história não conservou, aliás deviam ser notáveis, porque ele
ficou vermelho como uma pitanga. Essa cor ainda se tornou mais viva, quando a moça,
enfiando-lhe o braço, disse resolutamente:

— Vamos a esta valsa...

Tremia o rapaz de comoção; pareceu-lhe ver nos olhos da moça todas as promessas da
bem-aventurança; entrou a compreender os piscados do major.
— Então? disse Marcelina.

— Vamos.

— Ou está cansado?

— Eu? que idéia. Não, não, não estou cansado.

     A outra valsa fora um primor; esta foi classificada entre os milagres. Os amadores
confessaram francamente que nunca tinham visto um valsador como Luís Bastinhos. Era
o impossível realizado; seria a pura arte dos arcanjos, se os arcanjos valsassem. Os mais
invejosos tiveram de ceder alguma cousa à opinião da sala. O major chegou às raias do
delírio.
— Que me dizem a este rapaz? bradou ele a uma roda de senhoras. Ele faz tudo: nada
como um peixe e valsa como um pião. Salvou-me a filha para valsar com ela.

    Marcelina não ouviu estas palavras do pai, ou perdoou-lhas. Estava toda entregue à
admiração. Luís Bastinhos era até ali o melhor valsista que encontrara. Ela tinha vaidade
e reputação de valsar bem; e achar um parceiro de tal força era a maior fortuna que podia
acontecer a uma valsista. Disse-lho ela mesma, não sei se com a boca, se com os olhos,
e ele repetiu-lhe a mesma idéia, e foram ratificar daí a pouco as suas impressões numa
segunda valsa. Foi outro e maior sucesso.

   Parece que Marcelina valsou ainda uma vez com Luís Bastinhos, mas em sonhos, uma
valsa interminável, numa planície, ao som de uma orquestra de diabos azuis e invisíveis.
Foi assim que ela referiu o sonho, no dia seguinte, ao pai.

— Já sei, disse este; esses diabos azuis e invisíveis deviam ser dous.
— Dous?
— Um padre e um sacristão...
— Ora, papai!
     E foi um protesto tão gracioso, que o Luís Bastinhos, se o ouvisse e visse, mui
provavelmente pediria repetição. Mas nem viu nem soube dele. De noite, indo lá, recebeu
novos louvores, falaram do baile da véspera. O major confessou que era o melhor baile
do ano; e dizendo-lhe a mesma cousa o Luís Bastinhos, declarou o major que o salvador
da filha reunia o bom gosto ao talento coreográfico.

— Mas por que não dá outra brincadeira, um pouco mais familiar? disse o Luís Bastinhos.
O major piscou o olho e adotou a idéia. Marcelina exigiu de Luís Bastinhos que dançasse
com ela a primeira valsa.

— Todas, disse ele.
— Todas?
— Juro-lhe que todas.
Marcelina abaixou os olhos e lembrou-se dos diabos azuis e invisíveis. eio a noite da
"brincadeira", e Luís Bastinhos cumpriu a promessa; valsaram ambos todas as valsas. Era
quase um escândalo. A convicção geral é que o casamento estava próximo.

     Alguns dias depois, o major deu com os dous numa sala, ao pé de uma mesa, a
folhearem um livro — um livro ou as mãos, porque as mãos de um e de outro estavam
sobre o livro, juntas, e apertadas. Parece que também folheavam os olhos, com tanta
atenção que não viram o major. O major quis sair, mas preferiu precipitar a situação.
— Então que é isso? Estão valsando sem música?

   Estremeceram os dous e coraram muito, mas o major piscou o olho, e saiu. Luís
Bastinhos aproveitou a circunstância para dizer à moça que o casamento era a verdadeira
valsa social; idéia que ela aprovou e comunicou ao pai.

— Sim, disse este, a melhor Terpsícore é Himeneu.

  Celebrou-se o casamento daí a dous meses. O Pimentel, que serviu de padrinho ao
noivo, disse-lhe na igreja, que em certos casos era melhor valsar que nadar, e que a
verdadeira chave do coração de Marcelina não era a gratidão mas a coreografia. Luís
Bastinhos abanou a cabeça sorrindo; o major, supondo que eles o elogiavam em voz
baixa, piscou o olho.



Núcleo Pesquisas em Informática. Literatura e Lingüística
LITERATURA BRASILEIRA
Textos literários em meio eletrônico
A Chave, de Machado de Assis
Edição de Referência: Obra Completa, de Machado de Assis, vol. II,
Nova Aguilar, Rio de Janeiro, 1994.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Coxinha Estragada

Acordei tarde hoje e desobedecendo meu costume não fiz almoço, então fui á lanchonete da quadra comer um salgado. Não que eu seja do tipo que se satisfaz fácil (as "primas" da zona que o digam), mas ordinariamente não como muito no almoço, prefiro comer mais na janta, assim posso dormir de "bucho cheio" como diria seu "Maneu".

 Quando cheguei havia apenas uma coxinha na estufa, e estava exuberantemente convidativa, talvez pela minha fome, ou por ser a última, o aspecto geral me agradou. Também me agradou a moça que estava atendendo, bastante simpática, bonita a bicha ó, dessas de tirar o fôlego. Aparentemente estava em treinamento, porque tinha uma senhora de mal-humor e um cigarro, inapropriadamente perto da comida, na boca, que lhe dizia tudo o que ela tinha que fazer.

 Peguei a coxinha, paguei e fui andando e comendo, pouco depois da segunda mordida, quando chegamos na parte do recheio, para minha decepção o frango estava azedo e quase vomito ali mesmo.…

Caderno 1

Cadernos do Cárcere_ offline
 O primeiro, tal qual o último, que também não consistia em nada. O título é esse mesmo que vossas senhorias conhecem dos espólios narrativos dos professores de ensino médio, ou daqueles que ensinam “humanas” nas universidades públicas país afora.
 Em que consiste? Bem, afigura-se que estou sem internet e na falta de qualquer outro atrativo resolvi escrever-lhe, diretamente do cárcere do mundo off-line, vejam o drama! Teorizar a situação em si e conjecturar sobre as possíveis implicações de um mundo sem internet seria uma forma fácil e rápida de encher a tela com palavras, mas não faço. Primeiro por respeito a quem por ventura vier a ler isso, segundo porque não estou completamente certo se sairia alguma coisa substancial dessa empreitada.
  Se não vamos teorizar o mundo “off-line” e nem nada do tipo, que diabos vamos escrever? Bem, o esquizofrênico que por ventura ler, ouvir ou captar esse texto, provavelmente vai se perguntar quem está escrevendo (porq…

Morte acidental

Enquanto ele falava, eu arrumava a churrasqueira até que todos viessem. Era uma típica festa de firma, onde as pessoas vão para encher a cara e esquecer os problemas. Comer alguma coisa e ir embora. O almoço estava marcado para uma hora da tarde, eu cheguei mais cedo para ajudar nos preparativos, porque era minha tarefa já que era o mais novo no trabalho. Ele já tinha tomado alguns copos de whisky, sua esposa estava dentro da casa preparando os outros itens da festa. Já bêbado, ele entrou na piscina, aí começou a pedir para eu contar quanto tempo ele ficava sem respirar debaixo d’agua. 30 segundos, 25 segundos, 10 segundos. 
- Você é muito ruim nisso. Disse eu. 
Ele então me desafiou, pegou um relógio desses com cronômetro e começou a contar. Meu melhor tempo foi um minuto e quinze segundos. Ele disse que conseguia isso, mas que eu teria que baixar a cabeça dele, para que não voltasse antes do tempo. Ele era alto, branco, magro, chamavam-no de boneco de Olinda, quando não estava por …