Pular para o conteúdo principal

De Delação em Delação, Sigo Morando em Mansão

delação-premiada-prisão-domiciliar



        - Pelo título mais parece uma história do Chaves, disse Chaguinha. 

  Quando começo o texto penso logo em alguma coisa pra amenizar e aproximar nossos amigos leitores, (muito embora, a grande parte se constitua de pessoas de minha família e um ou outro robô do Google) faço isso para quebrar o gelo e tirar um pouco do aspecto sisudo das narrativas contemporâneas da atualidade (nessa hora o Prof Pasquale infarta). Antes de publicar minhas crônicas no entanto, costumo repassá-las ao meu amigo Chaguinha, este analisa e me diz quais são os pontos fortes e fracos do texto. Aquilo que é definitivamente desnecessário eu retiro, o que ele diz ser bom, eu mantenho. 
  
    Não sou muito de encurtar parágrafos para manter o padrão da internet (no máximo três linhas e lá vem parágrafo) mas hoje vou tentar fazer isso. Afigura-se que dar quebra de parágrafo apenas por dar, torna o texto chato e concluir um pensamento em três linhas é um martírio. 
  
  Como os senhores puderam notar, o parágrafo anterior não deu grandes informações, nesse eu nem sei o que dizer. Viram? Essa é a problemática das redações de hoje, como fazer um bom texto com vários parágrafos e encerrar um raciocínio em cada um deles. 


        A prisão é domiciliar e o meu banho de Sol é no SPA (título sugerido por Chaguinha)

    Lava-jato. Por vezes fiquei receoso de entrar em questões políticas, quando você agrada um desagrada outro. Sempre vai ter um parceiro que não está feliz  com o que você escreve, sempre, ou como diria Bon Jovi: Always. 
      
      A simples menção da palava no começo do texto já faz muitas pessoas ficarem alvoroçadas, ou porque são devotadas aos nobre pares de Curitola, ou porque não gostam deles e acreditam que a Polícia Federal está ultrapassando suas funções.

      Vos digo: as coisas que estão acontecendo no país precisam de muita calma. Isso porque os ânimos estão aflorados e qualquer coisa pode fazer explodir o barril de pólvora do país. Então vamos a história? Vamos lá. 

      Ainda há muita coisa para acontecer. Muitos casos para descobrir, escândalos para serem divulgados e diversas outras coisas. A dificuldade crescente que temos em manter a calma diante de opiniões divergentes é algo muito preocupante. 

     - Mas e a crônica em si, começa quando? Comentou Chaguinha. 

    Já é hora de entrarmos no cerne da crônica. Na verdade havia escrito ela na época dos acontecimentos do Mensalão, infelizmente, as lições e frases daquela época ainda são válidas para nossos dias atuais (quanta redundância professor Pasquale!). Alguns personagens mudaram, mas o ponto central do debate continua sendo o mesmo: A Corrupção, ou lá corrupcion como diriam os franceses de la Dilminha. 
   
     Ainda estamos falando dos nossos amigos políticos e dos X-noves. Aqueles que receberam a "delação premiada", que nada mais é que um prêmio pra quem entregar os amiguinhos do crime. Diversos políticos famosos entraram nessa. 

    Todo mundo sabe que os camaradas do Mensalão, os políticos claro, já estão aí na boa. E os que foram condenados tiveram "Prisão domiciliar", "Regime semiaberto" e ainda "Indultos natalinos" entre outras coisas. Zé Dirceu mesmo recebeu um tipo de "perdão presidencial", dado pela Dilminha.

     Outro dia estive conversando com "seu Maneu", pacato senhor que vende pastéis ali na Avenida JK. Seu Maneu é homem de cultura humilde, afeito ao trabalho do campo e sem muitas frescuras. Maneu disse que seu sobrinho estava mostrando o lugar onde um dos camaradas da Lava-Jato, o senhor Sérgio Machado, estava "preso". A chamada "prisão domiciliar", onde o camarada cumpre sua pena na própria casa. Seu Maneu disse:  Rapaz, mas o homi preso tá com mais mordomia que eu. 
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    E eu concordo com o nobre "Seu Maneu", o cara realmente tem o tino das coisas. É realmente interessante ver como as coisas são nesse país. Um homem honesto e trabalhador, que nunca cometeu um crime na vida, vive pior que o outro que deve suas mordomias às falcatruas e a corrupção. E sobre o texto, realmente a paragrafização internética é complicada, fechar a linha de raciocínio a cada três linhas é muito difícil, mas que podemos falar? Eu fico por aqui, ah, visitem o "Seu Maneu" na Jk. 









Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Herança, Machado de Assis

Venância tinha dois sobrinhos, Emílio e Marcos; o primeiro de vinte e oito, o segundo de
trinta e quatro anos. Marcos era o seu mordomo, esposo, pai, filho, médico e capelão. Ele
cuidava-lhe da casa e das contas, aturava os seus reumatismos e arrufos, ralhava-lhe às
vezes, brandamente, obedecia-lhe sem murmúrio, cuidava-lhe da saúde e dava-lhe bons
conselhos. Era um rapaz tranqüilo, medido, geralmente silencioso, pacato, avesso a
mulheres, indiferente a teatros, a saraus. Não se irritava nunca, não teimava, parecia não
ter opiniões nem simpatias. O único sentimento manifesto era a dedicação a D. Venância.
Emílio era em muitos pontos o contraste de Marcos, seu irmão. Primeiramente, era um
dândi, turbulento, frívolo, sedento de diversões, vivendo na rua e na casa dos outros,
dans le monde. Tinha cóleras, que duravam o tempo das opiniões; minutos apenas. Era
alegre, falador, expansivo, como um namorado de primeira mão. Gastava às mãos largas.
Vivia duas horas por dia em casa do al…

A Causa Secreta - Machado de Assis

A Causa Secreta,
de Machado de Assis

    Garcia, em pé, mirava e estalava as unhas; Fortunato, na cadeira de balanço,
olhava para o tecto; Maria Luísa, perto da janela, concluía um trabalho de agulha.
Havia já cinco minutos que nenhum deles dizia nada. Tinham falado do dia, que
estivera excelente, — de Catumbi, onde morava o casal Fortunato, e de uma casa
de saúde, que adiante se explicará. Como os três personagens aqui presentes estão
agora mortos e enterrados, tempo é de contar a história sem rebuço.


    Tinham falado também de outra cousa, além daquelas três, cousa tão feia e
grave, que não lhes deixou muito gosto para tratar do dia, do bairro e da casa de
saúde. Toda a conversação a este respeito foi constrangida. Agora mesmo, os
dedos de Maria Luísa parecem ainda trêmulos, ao passo que há no rosto de Garcia
uma expressão de severidade, que lhe não é habitual. Em verdade, o que se passou
foi de tal natureza, que para fazê-lo entender é preciso remontar à origem da
situação.


   Gar…

A Chave, Machado de Assis

Não sei se lhes diga simplesmente que era de madrugada, ou se comece num tom mais
poético: aurora, com seus róseos dedos... A maneira simples é o que melhor me conviria
a mim, ao leitor, aos banhistas que estão agora na Praia do Flamengo — agora, isto é, no
dia 7 de outubro de 1861, que é quando tem princípio este caso que lhes vou contar.
Convinha-nos isto; mas há lá um certo velho, que me não leria, se eu me limitasse a dizer
que vinha nascendo a madrugada, um velho que... degamos quem era o velho.
Imaginem os leitores um sujeito gordo, não muito gordo — calvo, de óculos, tranqüilo,
tardo, meditativo. Tem sessenta anos: nasceu com o século. Traja asseadamente um
vestuário da manhã; vê-se que é abastado ou exerce algum alto emprego na
administração. Saúde de ferro. Disse já que era calvo; equivale a dizer que não usava
cabeleira. Incidente sem valor, observará a leitora, que tem pressa. Ao que lhe replico que
o incidente é grave, muito grave, extraordinariamente grave. A cabelei…