Pular para o conteúdo principal

Boomerang


boomerang-cronica-palmas-to-pátio-do-detran
        Dias atrás, conversava com meu amigo Francisco das Chagas, vulgo Chaguinha. Estávamos em um bar, na escaldante cidade de Palmas, conversando sobre a política tocantinense e bebendo um moloko (referências, pra que te quero?). Pois bem, começamos então a falar sobre as notícias nos principais portais de notícias.
        Coisa que chamou a atenção logo de cara foi o roubo de um carro dentro do pátio da prefeitura. O pátio daqui de Palmas, que mais parece ferro-velho de filme americano, é abarrotado de veículos apreendidos e ou guinchados. O roubo de um carro dentro de um órgão municipal, que teoricamente deveria monitorar as entradas e saídas já seria uma coisa bizarra. Mas, e sempre tem um ‘mas’, o que mais impressiona na notícia é que essa não é a primeira vez que roubam no pátio. A galerinha da mão leve, segundo a matéria, começou levando peças de motos. Cerca de um mês depois, percebendo que não tiveram problemas, eles levaram uma moto, e agora fecharam com chave de ouro, levando o carrinho.
        Chaguinha disse que já teve o carango guinchado e levado para o tal pátio da prefeitura e ele disse que tem que pagar uma diária de trinta “contos” (linguagem dele) pelo veículo. Quer dizer, o camarada paga o preço de uma diária de pousada e ainda corre o risco de ter seu veículo roubado.
        E como dizia Gabriel “o pensador”: a criminalidade toma conta da cidade... outro dia uma mulher foi presa tentando vender um celular por 10 reais. O “cliente” logo desconfiou e chamou a polícia, aí descobriram que o celular era roubado. Analisando o caso Chaguinha disse que o cara fez mal em denunciar a mulher. Ele disse que o cara que foi roubado dificilmente vai ter o celular de volta mesmo. Comprando o celular da mulher o cliente teria um “mega desconto” e ainda ia ajudar a mulher. Tentei argumentar com ele falando que um furto é um furto e que um crime não deve ser amenizado, mas ele permaneceu com sua idéia fixa. Aliás, em discussões ninguém nunca muda de idéia, ou dificilmente o faz. Quer dizer, cada um argumenta tentando convencer o outro de alguma coisa, mas independente dos argumentos todos saem com a mesma opinião que tinham antes. Por isso mesmo não discuti mais e apenas fiz um meneio de cabeça.

No domingo fomos à Feira do Bosque e não é minha surpresa quando surpreendo Chaguinha olhando os celulares de um rapaz, que não chamarei de suspeito porque isso seria eufemismo. Entre as “mercadorias” do rapaz estava um celular “da maçã” que ele estava vendendo por cem reais. Chaguinha pegou a carteira na hora. De nada adiantou o meu olhar repreensivo e eu ter lhe falado que provavelmente aquilo era fruto de furto (tome esse trava-lingua). O fruto do furto, furtado foi e acabou sendo comprado pelo meu amigo. Deu-lhe o dinheiro e saímos de lá. Quando íamos saindo Chaguinha percebeu que na verdade ele tinha acabado de comprar o próprio celular! O celular dele tinha sido fruto de furto (tente ler rápido) e ele nem percebeu porque estava muito eufórico pelo valor irrisório por um celular tão bom.


        Eu poderia finalizar o parágrafo falando das lições de moral aprendidas por meu companheiro, e seria um belíssimo fim, mas não seria a realidade. Infelizmente Chaguinha continuou com sua idéia de que afinal de contas, se ele não tivesse comprado o celular acabaria tendo um prejuízo maior do que o que teve. Ainda que eu não questione seu argumento não acho certa a sua lógica. Afinal de contas aquilo funcionaria como um boomerang: por mais que você o lance longe ele acaba voltando. Talvez o estimado leitor acredite que um iô-iô seria mais apropriado aqui no Brasil, mas a comparação é minha então fique satisfeito.  
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Herança, Machado de Assis

Venância tinha dois sobrinhos, Emílio e Marcos; o primeiro de vinte e oito, o segundo de
trinta e quatro anos. Marcos era o seu mordomo, esposo, pai, filho, médico e capelão. Ele
cuidava-lhe da casa e das contas, aturava os seus reumatismos e arrufos, ralhava-lhe às
vezes, brandamente, obedecia-lhe sem murmúrio, cuidava-lhe da saúde e dava-lhe bons
conselhos. Era um rapaz tranqüilo, medido, geralmente silencioso, pacato, avesso a
mulheres, indiferente a teatros, a saraus. Não se irritava nunca, não teimava, parecia não
ter opiniões nem simpatias. O único sentimento manifesto era a dedicação a D. Venância.
Emílio era em muitos pontos o contraste de Marcos, seu irmão. Primeiramente, era um
dândi, turbulento, frívolo, sedento de diversões, vivendo na rua e na casa dos outros,
dans le monde. Tinha cóleras, que duravam o tempo das opiniões; minutos apenas. Era
alegre, falador, expansivo, como um namorado de primeira mão. Gastava às mãos largas.
Vivia duas horas por dia em casa do al…

A Causa Secreta - Machado de Assis

A Causa Secreta,
de Machado de Assis

    Garcia, em pé, mirava e estalava as unhas; Fortunato, na cadeira de balanço,
olhava para o tecto; Maria Luísa, perto da janela, concluía um trabalho de agulha.
Havia já cinco minutos que nenhum deles dizia nada. Tinham falado do dia, que
estivera excelente, — de Catumbi, onde morava o casal Fortunato, e de uma casa
de saúde, que adiante se explicará. Como os três personagens aqui presentes estão
agora mortos e enterrados, tempo é de contar a história sem rebuço.


    Tinham falado também de outra cousa, além daquelas três, cousa tão feia e
grave, que não lhes deixou muito gosto para tratar do dia, do bairro e da casa de
saúde. Toda a conversação a este respeito foi constrangida. Agora mesmo, os
dedos de Maria Luísa parecem ainda trêmulos, ao passo que há no rosto de Garcia
uma expressão de severidade, que lhe não é habitual. Em verdade, o que se passou
foi de tal natureza, que para fazê-lo entender é preciso remontar à origem da
situação.


   Gar…

A Chave, Machado de Assis

Não sei se lhes diga simplesmente que era de madrugada, ou se comece num tom mais
poético: aurora, com seus róseos dedos... A maneira simples é o que melhor me conviria
a mim, ao leitor, aos banhistas que estão agora na Praia do Flamengo — agora, isto é, no
dia 7 de outubro de 1861, que é quando tem princípio este caso que lhes vou contar.
Convinha-nos isto; mas há lá um certo velho, que me não leria, se eu me limitasse a dizer
que vinha nascendo a madrugada, um velho que... degamos quem era o velho.
Imaginem os leitores um sujeito gordo, não muito gordo — calvo, de óculos, tranqüilo,
tardo, meditativo. Tem sessenta anos: nasceu com o século. Traja asseadamente um
vestuário da manhã; vê-se que é abastado ou exerce algum alto emprego na
administração. Saúde de ferro. Disse já que era calvo; equivale a dizer que não usava
cabeleira. Incidente sem valor, observará a leitora, que tem pressa. Ao que lhe replico que
o incidente é grave, muito grave, extraordinariamente grave. A cabelei…